Fone: (43) 3325-1334 | Whats: (43) 98425-1334              QUERO DOAR

RELATÓRIO DE ATIVIDADES – 2018

1 – IDENTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ORGANIZAÇÃO SOCIEDADE CIVIL

Nome da Entidade: Núcleo Espírita Irmã Scheilla
Endereço: Rua das Ameixeiras, 655    –    Jardim Marabá
CEP: 86035-720     –     Cidade: Londrina    –     UF: Paraná
Data de fundação: 11 de setembro de 1994    –    CNPJ: 00.316.214/0001-71
Serviço: Educação Profissional para Adolescentes (Qualificação e Aprendizagem)
Público atendido: Jovens, de ambos os sexos, sem nenhum tipo de distinção e encaminhados pelo CRAS (PAIF/PAEFI).
Faixa etária: 14 a 18 anos
Área de abrangência: Comunidades Rosa Branca I e II, Jardim Santa Fé, Jardim Marabá, Jardim Meton, Jardim Interlagos, Vila Ricardo e Vila Ricardo II, enfim região Leste de Londrina e adjacência. Território CRAS LESTE.
Capacidade de atendimento: 200    –    Metas Previstas 140

2 – MODALIDADE DE ATENDIMENTO
Tipo: Proteção social básica

3 – ATIVIDADES DESENVOLVIDAS DURANTE O ANO
Nossa entidade atua na proteção social básica seguindo os parâmetros da politica nacional de assistência social bem como os parâmetros e diretrizes municipais. Paralelamente o trabalho busca a integração no atendimento às famílias, como forma de garantir o fortalecimento dos vínculos familiares, o resgate da autoestima e especialmente na construção de alternativas de vida que lhes permitam construir um processo coletivo, enquanto sujeitos de direitos. Trabalha-se com Serviços de Proteção Social Básica – Programa de Aprendizagem e Qualificação Profissional para Adolescentes. Lembramos, que na atual conjuntura, não temos conveniamento para a fase da iniciação, sendo que a mesma não é uma exigência prevista na atual legislação, ou seja, não há uma previsão legal, porém nossa entidade acredita que etapa é de extrema importância, pois nossos jovens em sua maioria vivem, sobre alguma situação de vulnerabilidade.

Além do aprendizado pedagógico, nossos jovens recebem orientações de valores morais e éticos necessários ao seu bom desenvolvimento pessoal e profissional, sendo que, a forma de acesso aos jovens se dá através de busca espontânea, encaminhamento da rede de serviços e casos específicos como solicitação da vara da infância e juventude, ou encaminhamentos de outras politicas como saúde e educação, sempre priorizando os jovens que se encontram em maior situação de desproteção e preferencialmente residem no território de abrangência.

Para a inserção no curso de qualificação, o jovem e sua família devem procurar o CRAS leste para que este possa inserir os jovens na lista de espera do aprendiz e de acordo com a pontuação estabelecida pelos parâmetros da tipificação municipal, estes possam ser direcionados a nossa entidade.

Após a inserção, os jovens começam a frequentar a entidade de terça a quinta-feira, passando por avaliações escritas e participativas ao longo das aulas. Dentro desta metodologia, os resultados em curto prazo apontam os jovens que estão aptos a serem inseridos no mercado formal de trabalho, e aqueles que ainda não se encontram aptos, continuam a frequentar as aulas, sendo trabalhadas as dificuldades individuais para que também possam ser encaminhados às entrevistas. Essa fase não possui um período de inicio ou fim, uma vez que os jovens são avaliados na individualidade e particularidade, porém temos na atualidade capacidade para três turmas, cada turma com trinta alunos.

Outro ponto que deve ser esclarecido é o fato de nossa entidade oferecer somente o curso de Auxiliar Administrativo, desta forma todo aprendiz desenvolve somente funções administrativas, respeitando sempre o desenvolvimento físico, moral e psicológico do adolescente além de acompanhamento do desenvolvimento escolar, familiar e prático na empresa. Durante todo o processo, a família do jovem é trabalhada através de reuniões grupais e visitas domiciliares, onde são identificadas as vulnerabilidades. O serviço social institucional busca ferramentas para trabalhar as potencialidades e corrigir as vulnerabilidades.

As aulas são ministradas de terça a quinta-feira para os alunos da fase de iniciação das 13h as 16h50min, tendo como disciplinas: auxiliar administrativo, português, matemática, informática e formação pessoal (ética, filosofia e sociologia), e ainda palestras que abordam temas como: marketing pessoal, atendimento ao público, elaboração de currículos, entre outros.

Assim que o jovem é inserido como aprendiz, passa a ter sua carteira de trabalho e previdência social assinada pelo empregador, garantindo todos os direitos trabalhistas previstos na Consolidação das Leis do Trabalho.

Seguindo as normativas da portaria do MTE 723/12, este aprendiz ficará conosco mais 20 dias úteis ou 80h, e somente depois irá para a empresa onde irá atuar de segunda a quinta-feira, retornando para a entidade todas as sextas-feiras e na segunda quinta-feira do mês para as atividades teóricas e acompanhamento.

Durante a aprendizagem teórica são trabalhados grupos de no máximo 35 (trinta e cinco) jovens, que ficam na entidade todas as sextas-feiras, das 13h às 17h0 e nas segundas quintas-feiras do mês, das 13h às 17h, visando a complementação da carga horária. Todos os alunos que iniciam a aprendizagem e após, tornam-se aprendizes, recebem a certificação no final do contrato de trabalho, com o detalhamento das atividades. As disciplinas e conteúdos administrados atendem às exigências do Ministério do Trabalho.

A entidade propõe realizar as atividades de forma planejada, criando situações desafiadoras, estimulando e orientando os jovens e suas famílias na construção e reconstrução de suas vivências, de forma individual e coletiva, favorecendo as trocas culturais de experiência, fortalecendo vínculos e incentivando a socialização e a convivência comunitária.

As atividades ainda têm o enfoque para:
  • Garantia dos direitos fundamentais da criança e do adolescente, em regime de atendimento sócioeducativo, conforme preconiza a lei n° 8069/90 Estatuto da Criança e do Adolescente ECA e de mais legislações correlatadas;
  • Criação de um ambiente saudável e agradável para o publico alvo, estimulando assim a permanência dos mesmos no espaço institucional;
  • Oferecer ao adolescentes/jovens atividades com a metodologia de oficinas e aulas dinâmicas, estimulando desta forma as competências cognitivas dos mesmos e estimulando o convivo social.
As ações são desenvolvidas, planejadas pela equipe docente da entidade com a coordenação da profissional em Pedagogia. O serviço social institucional que acompanha de forma constante as atividades, os adolescentes/jovens e suas famílias de forma totalitária e ainda realiza relatórios mensais avaliativos e reuniões com e jovens equipe profissional bem como alimenta o sistema IRSAS, registrando assim para a rede de serviços as vulnerabilidades detectadas e dando os encaminhamentos cabíveis.

Finalizamos este ponto, novamente evidenciando que para realizar o projeto Jovem Aprendiz, o Núcleo Espírita Irmã Scheilla desenvolve ações que possibilitam a convivência comunitária e familiar, contribuindo para o retorno ou permanência dos adolescentes e jovens no ambiente escolar, por meio da convivência social e participação cidadã, abordando temas de interesse desta faixa etária, contribuindo para o conhecimento, desenvolvimento de habilidades e formação de valores éticos e morais. As famílias dos jovens são convidadas a participarem da vida da entidade a todo o momento e de forma semestral acontecem o encontro com responsáveis pelos aprendizes, onde são propostas dinâmicas para o fortalecimento dos vínculos afetivos de forma concreta. Ainda em relação ao trabalho com as famílias, a entidade fica com suas portas abertas da 8h as 17h, de segunda a sexta-feira e aos sábados das 08h as 12h, sempre estando presente a assistente social ou a pedagoga para realizar o atendimento às pessoas que procuram por orientações diversas.

USUÁRIO
Atividades: Aulas de qualificação profissional e projeto jovem aprendiz
Periodicidade: de segunda a sexta-feira
Responsáveis: coordenação geral e serviço social institucional

FAMÍLIA
Atividades: Reuniões semestrais e eventos. Acompanhamentos e encaminhamentos
Periodicidade: semestrais
Responsáveis: coordenação geral e serviço social institucional

REDE DE SERVIÇOS
Atividades: Participação nas instancia deliberativas, fóruns e rede de serviços.
Periodicidade: quinzenais ou mensais
Responsáveis: coordenação geral e serviço social institucional

4 – AVALIAÇÂO DO PROCESSO DE EXECUÇÂO
Nossa entidade está inserida na região leste de Londrina, uma das regiões da cidade que conta com realidade negativa, conforme dados apresentados pela mídia local, pois existem inúmeros problemas, tais como: tráfico de entorpecentes, falta de saneamento básico e falta de opções de lazer. Logo, prioriza-se o atendimento dentro da área de abrangência da entidade buscando retirar os jovens de um contexto negativo e abrindo para os mesmos outras possibilidades demonstrando acima de tudo a importância dos estudos e da conquista de uma profissão. Buscamos trabalhar conteúdos dinâmicos, pois além de atender a legislação e órgãos competentes, buscamos despertar o interesse dos jovens, transformando sua permanência na entidade em um momento agradável. São desenvolvidas ações que venham ao encontro do interesse e a realidade do jovem, porém, de acordo com as exigências legais e do próprio mundo do trabalho.

Trabalhamos as potencialidades dos jovens de maneira reflexiva, cognitiva, afetiva e ética, promovendo hábitos e atitudes que os tornem competitivos e preparados para o desenvolvimento de ações que são exigidas no cotidiano do mundo do trabalho. As disciplinas e conteúdos administrados atendem às exigências do Ministério do Trabalho. Sendo, as atividades mensais, acontecem de forma programada, onde em grande parte, os jovens recebem a formação teórica, (pois a formação prática é realizada nas empresas parceiras, ou seja, o local onde o jovem atua como aprendiz), que vem de acordo com as exigências e necessidades do curso ministrado por esta entidade.

Tanto no espaço institucional, como no ambiente prático prioriza-se o desenvolvimento das atividades para o desenvolvimento do autoconhecimento, de suas potencialidades, habilidades, autoestima para o seu fortalecimento. Ressalta-se que o jovem é visto como um ser completo e em sua totalidade, sendo que o mesmo é acompanhado de forma constante em seu ambiente familiar, escolar e no ambiente institucional. Pontuamos ainda que as ações desenvolvidas se dão com atividades diversificadas que visam a formação do jovem em sua totalidade e como cidadão de direito e de bem, focando não só o mundo do trabalho, mais a vida em sociedade.

Outro destaque importante é a qualidade que a entidade visa passar para os jovens e desta forma, organizou o conteúdo programático em módulos, oportunizando acrescentar temáticas que busquem o desenvolvimento físico, moral e psicológico do jovem.

A entidade preocupa-se além da formação e capacitação do jovem, com sua conduta em sociedade e sempre oferece palestras e oficinas que venham de encontro a temáticas discutidas pelos jovens e que façam parte da realidade vivenciada pelos mesmos. Buscamos desenvolver palestras formativas e instrutivas, oficinas pedagógicas, atividades culturais. Bem como ações que complementem o desenvolvimento das habilidades básicas dos jovens e desenvolvendo, nos mesmos o senso critico de participação popular, focando a comunidade como principal ferramenta de trabalho. As avaliações com os aprendizes acontecem de forma constante e em todas as atividades propostas e também no final de cada oficina.

Evidenciamos ainda como ponto positivo que através do projeto o jovem fica condicionado a frequentar o ambiente escolar, sendo que muitos passam nos processos seletivos das universidades e faculdades de nossa cidade e como atuamos com atividades dinâmicas, contribuímos para o fortalecimento de vínculos dos jovens e suas famílias.

Aplica-se ainda avalições trimestrais com os jovens, as empresas, as escolas e as famílias, sendo que uma vez por ano ainda temos o ENEIS, onde conseguimos observar o desempenho dos jovens em relação ao conteúdo trabalho por nós e pelos ambientes escolares. Um grande dificultador de nosso trabalho tem sido a demanda reprimida e a baixa procura das empresas, devido ao cenário politico neste atual momento. Damos ênfase que o poder público que em gestões anteriores contratavam jovens, na atualidade não tem manifestado apoio neste sentindo.

No ano 2018, atendemos a todos os indicados apresentados no plano de trabalho.

5 – AVALIAÇÂO DE RESULTADOS
Observamos que os jovens quando inserido no mercado de trabalho, tem maior probabilidade de seguir ao mundo do trabalho e não se envolver com questões que entre em conflito com a legislação.
Percebemos também que como os jovens devem frequentar o ambiente escolar, muitos estão aprovados em diversas universidade de nossa cidade.
Como as atividades acontecem de forma continua as avaliações, ocorrem em todo o processo, sendo os principais instrumentos avaliativos:
Quais são os indicadores de avaliação?
  • Melhora no desempenho escolar dos adolescentes;
  • Permanência no mercado de trabalho no período de vigência do contrato e após o término ;
  • Nível de frequência dos adolescentes no curso.
Que instrumentos são utilizados para o acompanhamento e avaliação?
  • Reunião mensal da equipe técnica;
  • Visitas domiciliares e empresariais;
  • Atendimentos e supervisões periódicas;
  • Acompanhamento do desempenho escolar dos adolescentes;
  • Reuniões semestrais com os pais e/ou responsáveis pelos adolescentes;
  • Avaliação dos professores;
  • Avaliação das empresas, das escolas e das famílias.
Atuamos no vinculo familiar e pelos acompanhamentos familiares, observamos que através da intervenção da entidade, jovens e seus responsáveis, tem se aproximado e resgatado tais vínculos.
O Ano de 2018 foi um ano de dificuldades para a entidade, pois de forma ampla, não conseguimos cumprir a meta estabelecida com o poder público e desta forma avalia-se de forma negativa o processo de trabalho. Porém, com os jovens que já estão inseridos no programa os indicadores e objetivos foram cumpridos. Destacamos em especial o Objetivo 08, uma vez que realizamos o monitoramento do processo de aprendizagem destacando o processo pedagógico e a efetividade social.

6 – INFRAESTRUTURA
O Núcleo Espírita Irmã Scheilla, conta com uma estrutura física com 1496 m2 montada com recursos materiais suficientes para a criação, execução e manutenção das atividades propostas. Pontuamos que como estrutura física a instituição disponibiliza de:
  • Cinco salas de aulas devidamente equipadas, (inclusive com ventiladores), uma sala de vídeo também devidamente equipada (com recursos multimídia como televisão, aparelho de DVD e data show. Esta sala tem ainda cadeiras para oitenta pessoas), retroprojetor, caixa amplificadora;
  • Existem ainda a cozinha devidamente equipada com itens industriais e o refeitório. Também esta a disposição dos jovens seis banheiros, sendo três femininos e três masculinos;
  • Já o setor administrativo conta com: Uma sala de atendimento exclusivo para o serviço social, uma sala de reunião, uma sala para os professores, um almoxarifado, uma sala administrativa e recepção e um arquivo. Neste espaço ainda temos um banheiro feminino e um masculino;
  • Como estrutura física, porém, não utilizada para o jovem aprendiz. Ainda temos o bazar e três salas do departamento de infância e juventude utilizada por voluntários da entidade para atividades especificas com crianças. Em 2018, ainda tivemos a reforma da quadra de esporte e do salão de palestras, sendo que a quadra recebeu estrutura de ginásio de esporte, com portas e equipamentos, já o salão teve sua capacidade dobrada.

Saliente-se que a entidade já desenvolve o programa jovem aprendiz e com a continuação do mesmo irá continuar oferecendo o trabalho social essencial para o serviço sendo os mesmos:
  • Acolhida/Recepção;
  • Escuta;
  • Busca ativa;
  • Acompanhamento e monitoramento dos adolescentes e jovens no processo de formação nas dimensões teóricas e praticas;
  • Informação, comunicação e defesa de direitos;
  • Mobilização para o exercício da cidadania;
  • Articulação com a rede de serviço socioassistenciais;
  • Articulação com serviços de outras politicas setoriais, empresas contratantes e de defesa de direitos;
  • Encaminhamento, ao final do contrato de aprendizagem dos jovens acima de 16 anos para inscrição no SINE ou programa de economia solidaria
  • Organização da informação com banco de dados de usuários e organização, elaboração de relatórios ou prontuários;
  • Alimentação IRSAS

7 – RECURSOS HUMANOS
Todos os nosso colaboradores são registrados no regime CLT.
Nome: Criatiane Yukiko Ueno | Cargo: Professora de Auxiliar Administrativo | Qualificação: Superior completo | Carga horária: 15 horas semanais
Nome: Fernando Cavalcanti de Oliveira | Cargo: Professor de informática | Qualificação: Superior completo | Carga horária: 15 horas semanais
Nome: Jéssica Priscila da Silva | Cargo: Auxiliar administrativo | Qualificação: Técnico completo | Carga horária: 44 horas semanais
Nome: Magali Batista de Almeida | Cargo: Coordenadora pedagógica | Qualificação: Superior completo | Carga horária: 20 horas semanais
Nome: Maria Caroline Chagas | Cargo: Professora de português | Qualificação: Superior completo | Carga horária: 15 horas semanais
Nome: Martha Aoarecida Arruda Leite | Cargo: Secretária | Qualificação: Superior Incompleto | Carga horária: 44 horas semanais
Nome: Patrícia R. Trindade | Cargo: Zeladora | Qualificação: Fundamental Incompleto | Carga horária: 44 horas semanais
Nome: Samuel Vinicius N. Araújo | Cargo: Professor de formação pessoal | Qualificação: Superior completo | Carga horária: 15 horas semanais
Nome: Silvia Helena Theodoro da Silva | Cargo: Assistente social | Qualificação: Superior completo | Carga horária: 30 horas semanais
Nome: Vera Lúcia Maria Carlos | Cargo: Coordenadora administrativa | Qualificação: Superior completo | Carga horária: 30 horas semanais
Nome: Silvio Andrade de Oliveira | Cargo: Captador de recursos | Qualificação: Ensino médio | Carga horária: 20 horas semanais

8 – PLANO DE CAPACITAÇÂO INTERNA
Nossa entidade realiza o planejamento das atividades letivas com o quadro de professores duas vezes por ano, onde são discutidas as temáticas a serem trabalhadas com os alunos em oficinas e demais necessidades, porém os demais funcionários são incentivados a participar de eventos e atividades condizentes com a função.
Sempre que necessário a entidade realiza reuniões internas e troca de experiências entre outras entidades que executam serviços similares, tanto no cenário municipal, como estadual e federal.
Em 2018, a diretoria e os funcionários, envolveram-se de forma efetiva no início da reestruturação da entidade, com vistas ao planejamento para os anos de 2018 a 2023, sendo esta a prioridade para todos. Foi montada uma equipe de criação do planejamento estratégico composta dos coordenadores dos setores, presidente e um consultor externo, com reunões semanais às segundas-feiras das 8h30min às 12h.
CAPACITAÇÔES EXECUTADAS:
Capacitação das entidades que desenvolvem aprendizagem frente a nova interface do programa

Carga horária: 4 horas
Participantes: Toda equipe de colaboradores
Capacitação junto ao CAPS i, frente ao bulling prevenção de suicídio

Carga horária: 4 horas
Participantes: Toda equipe de colaboradores

9 – PARTICIPAÇÂO DOS USUÁRIOS
Quando o jovem é inserido na empresa, inicia-se o Programa Jovem Aprendiz. Nesta fase, o jovem inicia com uma carga horária de 80 horas onde são ministradas aulas teóricas de preparação durante o primeito mês, após o primeiro mês e nós próximos 23 meses o jovem inicia a aprendizagem prática na empresa, onde cumpre uma carga horária de 20 horas semanais, de segunda a quinta-feira, ficando as sextas-feiras destinadas e a segunda quinta-feira de cadas mês para a aprendizagem teórica na entidade.
A família é incentiva a participar do processo total, sendo que a entidade incentiva à participação dos pais e responsáveis durantes reuniões e eventos. A entidade realiza ao longo do processo de aprendizagem, visita as empresas, aos estabelecimentos de ensino e no ambiente domiciliar.
Outro ponto a ser destacado, refere-se às parcerias, pois as empresas além de ter o jovem como aprendiz, algumas ainda auxiliam a entidade de forma esporádica, como por exemplo, quando realizamos alguma promoção, temos empresas que nos doam o material necessário para a realização da mesma.
Como parceiro, destacamos a Prefeitura Municipal de Londrina, sendo que através deste convênio são pagos os profissionais envolvidos com o projeto jovem aprendiz.
Para as de mais despesas a entidade conta com doações da comunidade, revertidas para o bazar da entidade, doação de pessoa física e jurídicas, promoções feitas pela própria entidade, pizzas e de pasteis, e rifas além da campanha nota Paraná.

10 – CERTIFICAÇÔES MANTIDAS NO ANO DE 2018
  • Certificado de Registro no Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (014/003).
  • Atestado de Inscrição no Conselho Municipal de Assistência Social (62/2011).
  • Utilidade Pública Municipal.
  • Utilidade Pública Estadual.
  • utilidade Pública Federal.
  • CEBAS.
  • Mnistério do Trabalho e Emprego – Cadastro Nacional de Aprendizagem – Curso 25158.


11 – ARTICULAÇÕES COM A REDE
A articulação com a rede socioassistencial e demais políticas públicas envolve:
  • Participação nas reuniões de rede no território;
  • Participação nas discussões e estudos de caso conforme a necessidade;
  • Participação, quando acionado pela rede de Proteção Social Básica na elaboração e avaliação do PAF – Plano de Acompanhamento Familiar;
  • Participação, quando acionado pela rede de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade, na elaboração e avaliação do PIA de adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa e ou em acolhimento institucional;
  • nar a rede para discussão de caso, sempre que houver situação de desproteção da família que requerem intervenção conjunta para sua superação;
  • Participação em capacitações desenvolvidas pela rede socioassistencial ou das demais políticas públicas de temas afetos a sua área de atuação.
Constituem-se serviços da rede:
  • Serviços socioassistenciais da proteção social básica e proteção social especial;
  • Serviços públicos locais de educação, saúde (em especial, programas e serviços de reabilitação), cultura, esporte e, meio-ambiente e outros conforme necessidades;
  • Conselhos de políticas públicas e de defesa de direitos de segmentos específicos;
  • Instituições de ensino e pesquisa;
  • Conselho Tutelar;
  • Ministério Público do Trabalho; Secretaria Municipal do Trabalho, Renda e Emprego, entre outros.
O Núcleo Espirita Irmã Scheilla, presta conta de suas atribuições e atividades a diretoria de proteção social básica. Evidencia-se ainda que a entidade esta sempre pronta a receber visitas da equipe sujeitando-se as devidas avaliações. A entidade na atualidade já realiza relatórios mensais e participa de reuniões com as comissões de controle do serviço e assim, continuará fazendo emitindo ainda qualquer outro tipo de instrumento que venha a ser solicitado, tais como:
  • Relatório de atividades quantitativo entregue mensalmente e qualitativo trimestralmente, relatório de execução do objeto ao final de casa exercício, seguindo as orientações do termo de colaboração, registro de informação no IRSAS continuadamente, bem como o registro de informações no SIT do Tribunal de Contas do Estado do Paraná de forma mensal;
  • O monitoramento e avaliação são efetivados pela Administração Pública, por intermédio do gestor da parceria e da Comissão de Monitoramento e Avaliação, bem como pela Diretoria de Proteção Social Básica, através da Gerência de Garantia de Defesa dos Direitos da Criança, Adolescente e Juventude e Gerência de Inclusão de produtiva. A administração pública realizará visitas in loco periódicas, com emissão de relatórios técnicos de acompanhamento e fiscalização do objeto da parceria. O processo de monitoramento e avaliação compõe ainda, a análise dos relatórios técnicos emitidos pela organização da sociedade civil, as reuniões com os técnicos dos serviços objeto dos Termos de Colaboração e as reuniões das Comissões de Serviços. As ações acima, não excluem o acompanhamento e fiscalização realizados pelo Conselho Municipal de Assistência Social e pelos órgãos de controle.